História Fiat


O nascimento de Societá Anonima Fabbrica Italiana Automobili Torino, ou Fiat, foi assinado em 11 de julho de 1899. Giovanni Agnelli estava no Conselho de Administração, mas rapidamente se destacou como o inovador da Marca. Ele estava determinado a que a Fiat fosse um grande sucesso a nível mundial, teve uma grande visão estratégica sobre o mercado e por isso tornou-se director da Fiat em 1902.

Em 1900, a fábrica da Fiat foi inaugurada em Dante Carso com um efectivo de 150 operários.
A Fiat viu no primeiro ano saírem 24 automóveis da linha de montagem, incluindo o primeiro modelo da companhia, o 3 ½ CV.
Em 1902, o motorista Vincenzo Lancia venceu a corrida de subida de Sassi-Superga no famoso modelo Fiat hp 24.
Giovanni Agnelli, presidente da Fiat representou a Companhia na pista, dirigindo um Fiat 8 HP no segundo carro de turismo italiano e estabeleceu um recorde na corrida.
Em 1904, o logótipo da Fiat tinha sido concebido em forma oval com um fundo azul.
Em 1908, a Fiat abriu o Fiat Automobile Company nos E.U.A. . A empresa cresceu aos altos e baixos , e neste momento ter um Fiat era um item de luxo nos Estados Unidos, custando milhares de dólares, mais do que o carro médio nacional do mesmo período. A Fiat continuou a crescer a um ritmo rápido e não demorou muito para que a empresa expandisse a sua linha de produtos com camiões, carros eléctricos, motores marítimos e veículos comerciais.
Até ao fim do período inicial da Fiat, a Companhia iria sofrer algumas alterações e revisão da produção. A empresa começou a montagem de seus carros com acumuladores eléctricos e a Fiat também patenteou a transmissão e cardans neste periodo.

Fiat 1912-1925

Sob a nova liderança de Giacomo Malle Trucco, a construção da famosa fábrica de Lingotto começou em 1916. Era para ser a maior fábrica da Europa, com a única linha de montagem de cinco andares que terminou com uma pista de ensaio futurista construída no telhado do edifício. A fábrica foi concluída em 1922 e tornou-se o símbolo da indústria automobilística na Itália durante as décadas que se seguiram.
Durante a Primeira Guerra Mundial a Fiat dedicou-se ao abastecimento das forças aliadas com armas, aeronaves e veículos.
A Fiat começou a explorar novos sectores, antes e depois da Primeira Guerra Mundial, tornando-se uma empresa activa no ramo da electricidade, das linhas de transportes públicos, ferrovias e da indústria siderúrgica. Uma subsidiária foi criada na Rússia e a Fiat Lubrificanti foi fundada.
Quando a guerra terminou, uma época de crise abateu-se sobre a Fiat, as fábricas da Companhia foram temporariamente detidas pelos trabalhadores do Partido Socialista Italiano de 1921 a 1923.
No período seguinte à crise a Fiat já estava a mostrar sinais de crescimento, em parte devido a algumas políticas muito eficazes de redução de custos. Nessa época, Giovanni Agnelli foi promovido ao cargo de CEO da Fiat. Vários modelos de novos carros foram lançados, incluindo os quatro 509. A Fiat estabeleceu uma meta de criar a produção industrial em massa, a fim de diminuir o custo de seus carros. A holding foi criada para permitir aos compradores pagar os Fiats através de prestações. Como a empresa cresceu em todo o mundo, a Fiat também cresceu internamente entre 1912 e 1925. Eles foram rápidos em reconhecer as necessidades de seus funcionários e estabeleceu um plano de saúde, clubes desportivos e escolas especializadas.


Fiat 1926-1938

Quando Mussolini chegou ao poder na Itália, a Fiat teve de abandonar muitos dos seus planos para uma presença mais activa a nivel internacional. A Fiat tinha agora de concentrar-se em produzir os equipamentos necessários para o mercado interno. A empresa respondeu com novas tecnologias e designs de veículos comerciais, camiões e também ferrovias e aviões.
Dois carros novos da Fiat foram introduzidos entre 1934 e 1936. O Topolino foi o menor carro do mundo utilitarista e continuou a ser produzido até 1955. Os pequenos Tariffa, mais conhecido como o Balilla, era muito popular por causa do gás e quilometragem excelente.

A fábrica de Mirafiori foi uma nova fábrica da marca que em 1937 introduziu princípios avançados de organização industrial. O foco da fábrica estava voltada para a produção em massa e um aumento considerável da capacidade de produção da Fiat.


Fiat 1939-1964

Quando a Segunda Guerra Mundial acabou, a produção de veículos ligeiros quase tinha acabado, a Fiat simplesmente fabricava veículos comerciais e militares, aviões, armas e máquinas para o esforço de guerra. Quase no final da guerra, Giovanni Agnelli, o presidente da Fiat morreu em 1945, e agora Vittorio Valletta ficou com a direcção da empresa no pós-guerra na Itália.
Durante a Segunda Guerra Mundial, muitas das fábricas Fiat foram destruídas, mas em 1948 a reconstrução começou. Os lucros da Fiat aumentaram consideravelmente e mais empregados foram contratados para cumprir o compromisso da empresa com a inovação e a investigação após a guerra.
Dois carros novos , o Fiat 500 e o Fiat 1400, foram introduzidos e a produção em massa incluiu a instalação de sistemas de aquecimento e ventilação, pela primeira vez. A Fiat continua sua investigação sobre aeronaves e motores marítimos e em 1951, os aviões a jacto o G830 nasceu, o primeiro para a Itália.
O Fiat 1400 diesel foi introduzido em 1953. Em 1958, a Fiat cresceu na produção de carros e máquinas agrícolas. A Itália estava no meio de um BOOM económico e o seu sector automóvel foi a força motriz por trás dele, alimentada pela inovação da Fiat.
O Fiat 600 foi introduzido em 1955 e foi um grande automóvel utilitário com o motor montado na traseira. O novo 500 foi lançado em 1957 e em 1960, a versão Giardinetta foi produzido - um precursor da Station Wagon. Este foi também o momento em que os modelos conhecidos, como o Fiat 1300, 1500 e 1800 foram colocados no mercado.

Fiat 1965-1977

A Fiat continuou a apresentar crescimento de produção, em meados da década de 1960, tanto em exportações, como em vendas no mercado interno. A média de carros por cada habitante em Itália aumentou de um carro para cada 96 italianos,para um em cada 28. A Fiat ficou bem posicionada para tirar vantagem do aumento e criou várias fábricas no sul da Itália. No entanto, este foi também o início dos conflitos sindicais e assim em 1969, milhões de horas por trabalhador foram perdidos em greves por toda a Itália.
Em 1969 a FIAT adquire parte das marcas italianas: Ferrari e Lancia.
O neto do fundador Giovanni Agnelli, Gianni Agnelli, tornou-se Presidente da Fiat em 1966. Tal como o seu avô, ele garantiu a empresa e seguiu a tendência de inovação, com uma maior automatização do processo de produção. O primeiro Fiat novo a ser lançado durante estes anos foi o 850, seguido em 1971 pelo 127, que foi um grande sucesso. O 127 foi o primeiro Fiat com tracção dianteira e foi eleito Carro do Ano de 1971.


Fiat 1978-1990

Para manter a Fiat no caminho para a automação da produção, Robogate, um sistema robótico flexível para a montagem da carroçaria foi introduzido nas fábricas em 1978. A Fiat foi-se tornando uma grande potência industrial, quando começou a adquirir outras marcas italianas bem conhecidas, como a Lancia, Ferrari, Alfa Romeo e Maserati. Estes, juntamente com a marca Fiat seria formado o grupo Fiat Auto SpA Entre 1978 e 1990, a Fiat também criou parcerias com empresas independentes. Estes incluíram Fiat Avio, a Fiat Engenharia, Comau, Fiat Ferraviaria, Magnet Marelli e Teksid.
O acessível Fiat Panda foi concebido por Guigiaro para a Companhia em 1980, que foi seguido por o Uno, em 1982. O Uno substituiu o 127, e tornou-se o símbolo da renovação da Fiat, mostrava mudanças radicais nos seus componentes electrónicos e a escolha do material usado para os construir terá igualmente mudado. O motor Fire de 1000 cm3 da Fiat foi também introduzido nessa época.
Em 1989, o Fiat Tipo foi lançado como um Familiar de pequeno porte. Tinha soluções técnicas de ponta e marcou uma conquista para a tecnologia Fiat. Era muito popular no mercado internacional e foi nomeado como Carro do Ano 1989.

Fiat 1990-2003
Durante a década de 1990, a Fiat teve novamente de enfrentar uma crise na forma de concorrência no mercado. A fim de fazer face, a Companhia expandiu-se ainda mais no mercado internacional, tornando a Fiat num dos produtores mais reconhecidos em todo o mundo de veículos acessíveis. Desde então, foi alcançado com êxito, a sua presença global com mais de 60% das vendas fora da Itália. Para comemorar o aniversário dos 100 anos da Fiat, o logotipo da empresa foi revisto a partir do oval para uma versão rodada.
Em 1990, a Fiat Tempra fez sua estreia no mercado dos carros da famíliares. Um ano depois, a versão mais recente do 500, ou Cinquecento foi colocado no mercado . O Fiat Punto e Fiat Coupe sairam finalmente da linha de montagem durante este tempo com o Punto a ser eleito Carro Europeu em 1995.
Em 1993 a FIAT adquire a Maserati e mais tarde em 1997 vende 50% da Maserati à Ferrari.
A Fiat fez sua estreia em SUVs em 1994, com a introdução do Fiat Ulysse como parte do conceito de Eurovan. Em 1995, o Bravo, Brava e Barchetta foram lançados no mercado, com o Fiat Bravo / Brava a conseguir ainda um outro carro Europeu do Ano de 1996.
Em 1996 vieram mudanças no topo da Fiat pois Cesare Romiti assumiu o cargo de CEO, tornando Gianni Agnelli, presidente honorário do Grupo Fiat.
Em 1997, a Fiat deixou as suas antigas sedes corporativas em Turim e Corso Marconi e mudou-se para o Fiat Palazzina em Lingotto. Nesta altura a Fiat Palazzina de Lingotto tinha sido transformada na maior convenção da Europa e num complexo de feiras.

Em 1998, lançou o Fiat Seicento como um substituto para o 500 que era conhecido por ser muito fácil de se movimentar pela cidade. O design inovador do Multipla mais uma vez foi destaque em uma exposição de arte moderna no MOMA de Nova Iorque. Este monovolume compacto foi lançado no mesmo ano como o Seicento.

Em 2000, o Fiat Doblo foi apresentada no Paris Motor Show, tanto como um carro informal como um veículo comercial. Foi nomeado carro comercial internacional do Ano 2000 . O Fiat Stilo foi lançado em 2001 para substituir o Bravo / Brava. O Stilo tinha muitas opções e uma tecnologia altamente sofisticada , bem como um novo design. Em 2002, o novo Fiat Ulysse, o Fiat Multipla e Fiat Stilo com uma nova classe Multiwagon.

Apesar de em 2003 se registar a morte de Gianni Agnelli, após quase 50 anos de serviço, o ano também viu o novo Punto lançado com um inovador 1.3 Multijet 16v. Mais tarde, naquele outono, o novo Panda foi lançado e foi quase imediatamente chamado Carro do Ano de 2004.

Fiat 2004 - 2010

LogoFiatEm janeiro de 2004, o Fiat Idea fez sua estréia e foi o primeiro monovolume construído em tamanho real da Fiat e o design foi verdadeiramente único. O Fiat Idéia era mais alto para melhorar a visibilidade e seu interior foi aprimorado para a flexibilidade, incluindo bancos traseiros deslizantes.
Em 2005 a Fiat lança no mercado a remodelação do Fiat Punto, sendo um modelo mais versátil,e esteticamente mais perfeito e evoluído, a Fiat lança o Grande Punto, sendo este um modelo que elevou novamente a Fiat.
2007 viu o Fiat 500 surgir com um novo Design , uma suspensão mais dura, pára-lamas mais largo e um motor de 150 Cv com um 4 cilindros turbo que vai de zero a 60 em oito segundos.
A Fiat continua no caminho da inovação e tecnologia superior para o século 21 com uma linha de novos motores e novos modelos. Sergio Marchionne foi CEO desde 2004 e, juntamente com o presidente Luca di Montezemolo tem aumentado constantemente a posição da empresa de uma vez que parecia estar em dificuldades financeiras, que agora pode ser visto como um exemplo de sucesso. A partir de 2009, em meio a grave crise financeira do mundo, a Fiat é forte o suficiente para ter uma participação de controlo na luta pela americana Chrysler. Mas nunca desistindo a Fiat lança o Fiat PuntoEvo e o novissimo Fiat Bravo.

O que esperamos nós ?
Muito bem, esperamos uma Marca automóvel que nos continue a mostar os excelentes automóveis que sempre fez, cheios de força e caracter que apaixona qualquer pessoa que conduza um destes veiculos.